Corbélia, segunda-feira, 22 de julho de 2019 ESCOLHA SUA CIDADE

Paraná

13/11/2018 | Concebido por Goioerê

Criadores de Gado devem aderir a segunda etapa de vacinação contra febre aftosa no Paraná

Criadores de Gado devem aderir a segunda etapa de vacinação contra febre aftosa no Paraná

A segunda etapa de vacinação contra febre aftosa do estado do Paraná teve início no dia 1º de novembro, nesta etapa, todo o rebanho paranaense deve ser vacinado, atingindo 9,3 milhões de cabeças, entre bovinos e búfalos. A vacina pode ser adquirida em lojas agropecuárias e a dose a ser aplicada é de 5 ml para todos os animais, independente do peso e tamanho. 

Os produtores  precisam comprovar a vacinação, presencialmente, nas unidades da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), ou pela internet, no site www.adapar.pr.gov.br, até o dia 30 de novembro.

Após essa data, os produtores que não vacinaram ou que não comprovaram a vacinação do rebanho ficam sujeitos às penalidades previstas na legislação vigente, incluindo multa, no valor mínimo de R$ 1.000,84.

A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda, causada por um vírus, sendo uma das mais contagiosas que atingem os bovinos, búfalos, ovinos, caprinos e suínos. Causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas) principalmente na boca e nos cascos, dificultando a movimentação e alimentação dos animais, o que acarreta elevada e rápida perda de peso e queda na produção de leite, tendo como consequência grandes prejuízos na exploração pecuária, além de afetar diretamente o comércio interno e externo dos animais e de seus produtos. 

STATUS – Hoje, o Paraná é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como Área Livre de Febre Aftosa, com Vacinação. Mas o objetivo do poder público é obter o reconhecimento de Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação, com fiscalização permanente, na expectativa de atrair investimentos e abertura em mercados internacionais. Em agosto, o Governo do Estado oficializou o pedido ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que já avaliou positivamente. O último registro do vírus no Estado é de 2005, sanado em 2006. 

 

Fonte: GOIOERÊ | CIDADE PORTAL | ADAPAR - ULSA de Goioerê

OPINE!

CIDADE PORTAL
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.

Desenvolvido por Cidade Portal